menu

Publicações

STF e a leitura do art. 212 do CPP

24 de março de 2021

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal iniciou ontem (23/03) o julgamento do Habeas Corpus nº 187035, impetrado pelo advogado Alberto Zacharias Toron, no qual se busca a anulação de uma ação penal a partir da audiência de inquirição das testemunhas, pelo fato de a juíza que presidiu o ato ter iniciado a formulação de perguntas, quando deveria apenas complementar a inquirição. Sustenta-se caber, principalmente, às partes a produção da prova oral, podendo o Juiz apenas complementar a inquirição. Aponta-se ainda na impetração que a magistrada adotou postura como se Órgão da acusação fosse, em violação ao art. 212 do CPP.

Após o voto do relator, ministro Marco Aurélio, concedendo a ordem para anular a ação penal, o ministro Alexandre de Moraes votou pela denegação da ordem, sob o entendimento de que o sistema acusatório da Justiça brasileira é híbrido, permitindo a intervenção do juiz, no que foi acompanhado, com ressalvas, pelo ministro Luís Roberto Barroso. O exame do caso foi suspenso por pedido de vista da ministra Rosa Weber, que adiantou que “uma coisa é o juiz complementar as perguntas sobre pontos relativamente aos quais ele tem dúvida, outra coisa é ele começar a inquirição”.

Espera-se, pois, quando da retomada do julgamento, que a 1ª Turma do STF não negue validade ao artigo 212 do CPP, cuja redação é clara no sentido de prever apenas a possibilidade de o próprio Juiz veicular perguntas se verificados, ante o questionamento das partes, pontos não esclarecidos.

Como muito bem destacou Lenio no CONJUR, “o caso do art. 212 é apenas a ponta do iceberg. A questão fulcral, aqui, nem é discutir o caso ou os milhares de casos em que as leis são descumpridas e mutiladas. O ponto do estofo é saber o que queremos de nossas instituições”.

Outras publicações

STJ prorroga julgamentos por videoconferência até fevereiro de 2021

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, prorrogou até 26 de fevereiro de 2021 a realização, por videoconferência, das sessões de julgamento […]

ver mais

Bandeira do combate à corrupção serve para inviabilizar debates essenciais

Há quase 25 anos, na mesma época em que policiais militares mataram 111 presos do complexo do Carandiru, um grupo de profissionais do Direito se organizou […]

ver mais

Na era da desinformação: como lidar com informações falsas?

Conhecidas do grande público como “fake news”, as notícias falsas têm o objetivo de legitimar um ponto de vista ou prejudicar uma pessoa ou grupo. Publicadas […]

ver mais